Home » Reuniões » Reunião 29 (Canela, 31/07 e 1/08/1995)
Reunião 29 (Canela, 31/07 e 1/08/1995)

Ata da 29ª Reunião do Conselho Técnico Científico do LARC realizada aos trinta e um dias do mês de julho de 1995 no Hotel Laje de Pedra em Canela-RS, durante o XV Congresso da SBC.

Estavam presentes: José Augusto Suruagy Monteiro (Diretor do Conselho Técnico Científico e representante da UFPE), Luiz Fernando G. Soares (vice-diretor do Conselho Técnico Cientifico e representante da PUC-Rio), Luiz Fernando Rust da Costa Carmo (Vice-diretor Executivo), José Marcos Silva Nogueira (UFMG), Wanderley Lopes de Souza (UFSCar), José Eduardo de Lucca (UFSC), Edmundo A. de Souza e Silva (UFRJ), Julius Leite (UFF), Edmundo Roberto Madeira (UNICAMP), Liane M. R. Tarouco (UFRGS), Rossana Maria de Castro Andrade (UFC), Eduardo W. Bergamini (INPE), Maria Janilce Almeida (UFRGS).

A pauta da reunião compreendeu os seguintes assuntos:

1-Resumo das atividades realizadas no workshop de redes de alta velocidade.

2-O papel do LARC no comitê gestor da INTERNET/BR.

3-Atualização da parte organizacional do LARC.

4-Tarefas do GT de Pesquisa e Desenvolvimento da Internet/BR.

5-Escolha do membros do GT de Pesquisa e Desenvolvimento.

6-Considerações finais sobre o SBRC 95.

7-Cronograma e orçamento da fase de preparação do projeto GIGALARC.

O professor Suruagy iniciou a sessão resumindo as atividades realizadas no workshop sobre redes de alta velocidade (a ata foi divulgada na lista GIGALARC-L), realizado nos dias 29 e 30 de Julho. Depois de um relato das principais conclusões tiradas durante o workshop, incluindo a diretiva de preparação de um projeto único (GIGALARC) para submissão ao ProTeM-CC fase III, ele apresentou um panorama das responsabilidades que estão sendo delegadas ao LARC, principalmente no que se refere à composição dos grupos de trabalho do comitê gestor da Internet/BR. O professor Suruagy relatou que seu nome foi escolhido para a coordenação do GT de Pesquisa e Desenvolvimento, como representante do LARC, mas que a participação do LARC não deve se restringir apenas a este grupo de trabalho. Em seguida, o professor Suruagy abordou sucintamente o lançamento dos editais do ProTeM-CC fase III, comentando os temas de pesquisas selecionados, que em linhas gerais correspondem àqueles previamente sugeridos por ele após a discussão realizada na lista GIGALARC-L.

Após uma etapa de reflexões, foi sugerido que o professor Suruagy encaminhasse algumas questões ao ProTeM:

-Qual a opinião do PROTEM quanto à submissão de um único projeto envolvendo toda a comunidade de redes?

-Por que a divisão de temas do PROTEM em INTERNET/BR e Redes?

-Como seria realizada a avaliação e o julgamento no caso de submissão de um projeto único?

-A avaliação seria feita pela comunidade internacional?

Dando continuidade à pauta, o professor Suruagy fez uma breve introdução sobre a necessidade de atualização das cartas de indicações dos membros do LARC. Este assunto estendeu-se bastante, dando origem a diversas sugestões:

-Estabelecer um ponto de contato com a SESU/MEC (na verdade, reativar a ligação que já existiu com o MEC);

-Enviar novas cartas-convite a todos os atuais representantes, junto com um documento descrevendo as atribuições do LARC, para que estes possam providenciar pessoalmente as novas cartas de indicação junto aos respectivos reitores;

-Fazer uso de uma assessoria jurídica (do MEC ou da RNP), para registrar as novas adesões.

Passando ao próximo item da pauta, foram discutidas quais as atribuições do GT de P&D. O professor Suruagy informou que estas se orientam em três diferentes vertentes: curto, médio e longo prazo. A curto prazo espera-se um suporte às atividades de planejamento dos backbones da INTERNET/BR; a médio prazo existe um compromisso de que o GT faça com que 2 testbeds de redes de alta-velocidade estejam ativos até o final do ano; e a longo prazo está, finalmente, inserida toda a parte de pesquisa e desenvolvimento em novas tecnologias de redes de alta-velocidade.

O professor Luiz Fernando (PUC-RJ) demonstrou sua inquietude quanto à extensão do significado do apoio do GT em fazer com que 2 testbeds em redes de alta-velocidade estejam ativos até o final do ano. O professor Suruagy informou que já existem atualmente várias iniciativas para o desenvolvimento de redes de alta velocidade (ESPIGÃO-NET, RAV em Recife, etc.) e que basicamente ele veria a utilização da REMAV como um dos testbeds, e a utilização da rede de Belo Horizonte como segundo testbed, já que a operacionalização desta se encontra em um estágio bastante avançado. Finalmente, o professor José Marcos demonstrou sua preocupação com quem irá fazer os experimentos nas RAV's, se estas estariam apenas restritas às equipes locais. Ele acrescentou que o GT deverá fazer gestões junto à Telebrás para a interligação das redes de alta-velocidade estaduais.

O professor Bergamini (INPE) relatou sua intervenção na comissão de alto desempenho, divulgando a inclusão do tópico processamento em sistemas heterogêneos no projeto GIGALARC e que os interessados encaminhassem projetos a ele, que repassaria ao professor Luiz Fernando (PUC-Rio). Ele informou ainda que a atual coordenadora Lilian Zati não estava presente mais que o professor Zuffo ficou de repassar estas informações. Passando ao próximo tópico da pauta, a escolha dos membros do LARC que participariam dos grupos de trabalho do comitê gestor da Internet/BR, o professor Suruagy informou que os grupos de trabalho devem apresentar as listas dos seus integrantes até o dia 8/08/95, para que estas sejam apresentadas ao comitê no dia 9/08/95. Em seguida foi feita por ele uma sugestão inicial de que a lista dos membros do GT de P&D fosse composta pelos integrantes da diretoria do LARC mais os nomes dos professores José Marcos da UFMG e Luis Felipe da UFRJ, devido aos seus envolvimentos com experimentos de alta-velocidade a nível estadual.

Esta proposta foi discutida pelo plenário e o prof. Wanderley (UFSCar) argumentou que o grupo de trabalho estava muito grande e que não era necessário a presença de toda a diretoria do LARC no GT de P&D, e sim apenas o nome dos dois atuais diretores.

Esta proposta foi encampada pelo prof. Julius da UFF e pelo prof. Luiz Fernando da PUC-Rio, sendo que este último justificou ainda a necessidade de acrescentar neste GT um representante dos coordenadores temáticos do projeto GIGALARC. Desta forma a composição final do GT de P&D aprovada em plenário é a seguinte:

José Augusto Suruagy Monteiro (UFPE) - Coordenador,

Jean-Marie Farines (UFSC),

Luís Felipe Magalhães de Moraes (UFRJ),

José Marcos Silva Nogueira (UFMG),

Luiz Fernando G. Soares (PUC-Rio).

Em seguida foram propostos e aprovados a indicação dos seguintes nomes para os demais GT's:

William F. Giozza (UFPB) - GT de Treinamento

Michael Stanton (UFF) - GT de Engenharia e Operação de Redes,

Liane M. R. Tarouco (UFRGS) - GT de Engenharia e Operação de Redes,

Paulo Henrique de Aguiar Rodrigues - GT de Engenharia e Operação de Redes.

Ainda relacionado com o grupo de trabalho de treinamento, foram sugeridas as seguintes indicações em função das diversas localidades envolvidas:

Fortaleza: Rossana, Recife: Djamel Sadock, Belo Horizonte: Geraldo Robson, São Paulo: Paulo Licio, Florianópolis: Elizabeth, Porto Alegre: Janilce, Curitiba: Heraldo.

A reunião foi suspensa às 20 horas e 10 minutos, ficando a sua continuação marcada para o dia 01/08/95 às 16:00 horas.

No primeiro dia do mês de agosto de mil novecentos e noventa e cinco, às 16 horas, na sala Paraguai do Hotel Laje de Pedra em Canela, teve continuidade a reunião do LARC, com a presença das seguintes pessoas:

José Augusto Suruagy Monteiro (Diretor do Conselho Técnico Cientifico e representante da UFPE), Luiz Fernando G. Soares (vice-diretor do Conselho Técnico Científico e representante da PUC-Rio), Luiz Fernando Rust da Costa Carmo (Vice-diretor Executivo NCE-UFRJ), Wanderley Lopes de Souza (UFSCar), Eduardo W. Bergamini (INPE), Rossana Maria de Castro Andrade (UFC), José Eduardo de Lucca (UFSC), Edmundo Roberto Madeira (UNICAMP), Liane M. R. Tarouco (UFRGS), Julius Leite (UFF), Edmundo A. de Souza e Silva (UFRJ), Maria Janilce Almeida (UFRGS), José Marcos Silva Nogueira (UFMG) e Maria Izabel Cavalcanti Cabral (UFPB).

O professor Suruagy iniciou a sessão passando a palavra ao professor José Marcos para que este relatasse as suas considerações finais a respeito da organização do SBRC 95 em Belo Horizonte.

O professor José Marcos fez as seguintes colocações:

O custo total do SBRC 95 ficou da ordem de R$130.000, sendo que verificou-se um prejuízo de R$18.000. Embora face a uma situação deficitária, haverá o repasse previsto para Fortaleza. Proposta de reaproveitar o programa de acompanhamento desenvolvido para o SBRC 95, no SBRC 96 e nos próximos simpósios. Conservar o mesmos estilo para artigos (Tex, Word) nos próximos simpósios. Proposta de padronizar os anais quanto ao tamanho (recomenda-se o formato do SBRC 95 pois otimiza os custos).

O professor Suruagy deu inicio ao último item da pauta, cronograma e orçamento da fase de preparação do projeto GIGALARC, informando que levou as questões levantadas na última reunião aos responsáveis pelo PROTEM, sendo que estes informaram que a principio não existiria nenhum impedimento para submissão de um projeto único e que neste caso a comunidade técnica internacional poderia vir a ser acionada na fase de avaliação. Discutiu-se então se o projeto deveria ser todo concebido em inglês, tendo o prof. Luiz Fernando salientado que este tipo de opção dificultaria a manipulação do mesmo pelos funcionários da administração. Acrescentou ainda que existem vários membros da comunidade técnica internacional que dominam perfeitamente o português.

Em seguida, iniciou-se uma fase de questionamento sobre a capacidade de se gerenciar um projeto da envergadura do Gigalarc de acordo com a estrutura atual do PROTEM, já que este centraliza o poder de decisão no coordenador geral. Várias sugestões referentes à organização do projeto foram em seguida encaminhadas:

Existência de coordenações locais que pre-processariam as informações para o posterior envio à coordenação geral. Os coordenadores temáticos apenas cuidariam do acompanhamento técnico do projeto. Não submissão do projeto Gigalarc neste ano; em contrapartida seria submetido um projeto de estruturação do LARC para que este possa vir a ter capacidade de administrar um projeto de grande porte (no próximo ano). O LARC apenas encaminharia os grandes temas do Gigalarc ao PROTEM, e os pesquisadores submeteriam pequenos projetos.

Depois de varias discussões ficou decidido que a principio o Gigalarc deveria ser estruturado na forma de um único projeto. Cada coordenador temático deverá reunir até o final do mês de agosto as propostas de trabalho das pessoas interessadas, quando então será realizada uma reunião entre estes coordenadores.

A reunião foi encerrada às 16 horas, da qual lavrei a presente ata.

Luiz Fernando Rust.